[Desejo do dia] Septum ring

Nem sei se posso dizer que isso é um acessório que está “em alta”, já que pode envolver perfurações, um pouco de tensão familiar – falando por experiência própria – etc, mas eu, que sempre fui dessas que adora tatuagem, mudar a cor do cabelo, entre outras mudanças mais “drásticas” tô desejando fortemente um novo piercing, desses grandões no septo.

Como querer não é o mesmo que ter graças a cicatrizações tensas, bora compartilhar a vontade?

indian-nose-ringTotalmente inspirado nos acessórios indianos usados em cerimônias, esses piercings cheios de ornamentação podem ser meio brutos/polêmicos, mas depois de muitas fotos internet afora, eu tô completamente apaixonada MESMO. Me julguem.

Tenho a impressão que a volta desses piercings mais amostrados veio junto com com a onda 90’s, o fortalecimento do movimento afropunk e de todo esse empoderamento cultural que, discussões de apropriação  à parte, não podemos negar que super tá rolando. Posso falar? Eu gosto muito, esteticamente falando. Já assisti a algumas discussões sobre a possibilidade de ofender alguém de origem indiana com isso e nunca cheguei a nenhuma conclusão até porque só conheci uma menina nesse contexto e ela disse não achar ofensivo. Sigo amando e desejando (se manifesta aí se eu tiver fazendo merda, pfvr).

septo_03Acho bonito e bem imponente. Tenho a impressão de força e um ar I don’t give a fuck. É grandão e bem chamativo sim e daí? Só acrescenta mais um interesse visual ao rosto de quem curte intervenções ;)

septo_02Meus preferidos (e sonhados!) são os de tamanho médio e mais verticais, de preferência com algum ponto de cor, como esse turquesa aí de cima. Também estou numa fase mais prateada, vai entender. Os com correntinhas a parte e ligações com brincos, eu passo. Muito, muito pra mim. 

Tá, mais fazer um novo furo no meu corpo só por um vontade que pode ser passageira? Sinceramente, se meu organismo fosse mais fácil e não tivesse uma outra argola no meu nariz, eu faria. Mas se você prefere não arriscar, existem mil e uma versões fakes. Tipo brincos de pressão, sabe?

septo_01É engraçado usar um piercing de mentirinha? Pode ser, mas é uma ótima alternativa, vai. Só pra fazer o estilo ou até mesmo para pensar melhor no assunto. Tipo tintas temporárias de cabelo ou as flash tattoos, é uma espécie de ensaio haha.

De verdade ou mesmo os falsos, têm disponível por preços amigos no eBay, Aliexpress, Etsy – que demoram séculos pra chegar no Brasil – ou em algumas lojinhas nacionais como a Elephant. Se dá pra ficar diva usando o acessório?

wpid-screenshot_2014-09-10-20-42-35-1Rihanna te responde

Beijos, beijos

 

Anúncios

A moda que eu quero em 2015

Eu já comentei em outros posts alguns dos motivos de ter abandonado o blog e, é claro que entre mudanças e falta de tempo, outro fator que contribuiu demais para eu desanimar de escrever por aqui foi o cansaço desses padrões e imposições que o mundo da moda acaba colocando sobre todo mundo.

E aí aquela minhoquinha da censura fica passeando pela cabeça te fazendo achar que você não pode usar nada, que aquele cropped não é para “qualquer um” e que a saia mais justa marca uma barriguinha que “não deveria estar aí”. Que o cabelo precisa estar “no lugar” e que aquela hotpant “não vai bem com seu bumbum”. Não deveria pra quem? No lugar de que? Não vai bem por que?giphy

E o pior é que esses padrões totalmente inatingíveis nos atacam desde muito cedo e, de repente, você vê uma foto com 47 kg aos 15 anos, quando achava que era gorda. GORDA. Com 47 míseros quilos. Essa que vos fala era magérrima e se espelhava em que? Em Vogues, America’s Next Top Model e é claro que não seria igual àquelas modelos. E não era só eu: eram as primas, amigas de colégio, de natação,… E não, com 21 anos e alguns (muitos!) centímetros a mais, ainda não sou completamente impune a esse padrão e, por isso, passei a ter medo de continuar escrevendo e acabar dizendo o que vocês precisam ou devem fazer para disfarçar ou esconder sei lá o que.

Mais do que esses modelos de beleza completamente loucos, não queria, também, dizer o que era must have da temporada ou tendência obrigatória da vez. Isso todas as revistas e sites mais tradicionais fazem muito bem e acabam, também de maneira exemplar, transformando as ruas em vitrines de looks idênticos e pré-fabricados em street styles fotografados em fashion weeks. Não, obrigada. Isso estava me fazendo odiar a moda, achar que eu não podia vestir as mesmas peças das its, já que não me encaixava, e me restringir exatamente onde eu sempre pude me expôr.

large

As roupas foram feitas para vestir, cobrir nossos corpos para o mundo civilizado. E, dentro dessa padronização maluca, a moda nos proporciona fugir do lugar comum, mostrar para quem quiser ver – e não quiser também – de quantas cores somos feitos, que estampas expressam quem somos, qual comprimento retrata o sentimento do dia, da semana, do ano.  E é isso o que eu mais quero ver daqui pra frente: moda real, feita por gente de verdade que não está se importando tanto assim com o que está rolando na passarela.

É claro que ainda gosto de ver tendências e um Balmain ou uma belo photoshoot faz meus olhinhos brilharem, afinal, é arte. Mas a arte também pode estar visitando outras culturas, corpos e cores. Aliás, esses são muito mais ricos exatamente por não precisarem de dinheiro e o glamour dos holofotes para brilharem. Repara só no metrô, na faculdade, na menina desconhecida da sua rua. Tenho certeza que em algum desses lugares existem pessoas tão interessantes (ou mais, na minha humilde opinião) que it girls bombadas.

2012-newyear-quotes-2

E, com esse texto meio sem nexo, fio condutor ou conclusão adequada, quero dizer que vou frequentar mais meu espaço preferido, continuar escrevendo sobre o que eu gosto e, também, que desejo para vocês – e para mim! – um 2015 com menos censura, preocupações e muito mais diversão, (ins)piração, cores, formas e auto conhecimento. Na moda e na vida. Feliz Ano Novo e nos vemos mais vezes por aqui :)

Beijos, beijos

[Desejo do dia] Chapéu floppy

O desejo não é do dia, é de décadas #exageroschapeufloppyO chapéu que foi moda nos anos 1970 voltou a tona e anda enfeitando a cabeça de um monte de mocinhas estilosas por aí. Estou querendo um de feltro marrom, bem molinho, mas com as abas não tão enormes para eu ter coragem de usar. Sabe como é, né? Só o fato de usar chapéu fora da praia já é bem diferente aqui no Brasil (ainda mais no Rio!). Pra compartilhar a vontade com vocês, taí um monte de looks cheios de amor com o floppy :)

. PARA O FRIOChapeu floppy invernoAté tem uma ou duas fotos com clima de inverno carioca intrometidinhas por ali, mas a maioria delas é pra quem vai viajar ou mora pelo Sul do país mesmo. Muita sobreposição de peças, texturas e…o chapéu protegendo do frio!

. PARA O CALOR
chapeu floppy verãoPerninhas de fora, tecidos esvoaçantes, óculos escuros e…o chapéu protegendo do solão! Juro que não entendo como ainda não aderimos ao acessório, me parece tão óbvio usarmos no nosso clima para poupar rosto e cabelo do sol!

Minha vontade era tão grande que eu achei esse modelo na Riachuelo por R$49 e comprei para usar na praia – apesar de quase não ir a praia hehe. Como ele é de palha, não gosto muito de tirar da areia, mas veremos até onde meu fogo para estreiá-lo vai me levar!Instagram Chapéu FloppyAh, escrevendo esse post acabei não aguentando e comprei um de feltro marrom pelo eBay! haha Logo assim que chegar, conto como veio, posto link, etc, tá bom?

Cês conhecem outro lugar vendendo floppy a preços razoáveis? Me contem!

Beijos, beijos